Crise e um novo modelo

A crise que se apresenta tem sinais de gravidade. Os índices, as previsões e os números indicam uma situação preocupante. Possivelmente, o momento econômico mais restritivo desde o pós-guerra. Ainda que paire no ar alguma dúvida sobre a real dimensão do problema, caso se confirmem as expectativas de especialistas, estamos diante não apenas de um momento de crise, mas do esgotamento de um modelo. Atualmente, a vida na Terra está fortemente baseada na lógica desenvolvimento tecnológico – escala de produção – mercado em expansão, que permitiu o acesso aos bens de consumo, saúde, educação e infra-estrutura à boa parte da humanidade. Esse modo de vida ofertou esses benefícios aos países desenvolvidos e partes do resto do mundo, mas não conseguiu incluir um grande contingente populacional que vive à margem do progresso. Mesmo assim, esse modelo de desenvolvimento não está ruindo pro pressão social dos menos favorecidos ou movimentos populares de massa. Ele se desmonta a partir dos defeitos originais de sua concepção, com riscos concentrados em grandes corporações, acumulação livre e desenfreada, ambição ilimitada e interesses privados privilegiados sobre o bem social. 

Ou seja, e cada vez mais ouvimos isso no atual contexto, a superação da crise econômica mundial passa pela mudança de modelo. Conforme amplamente divulgado por conta do Fórum Social Mundial – Belém 2009, será que estamos diante da crise definitiva do regime capitalista? 

Que novo modelo pode ser sustentável a longo prazo?

O caminho ainda não está claramente definido, pode ser que não chegue a tanto, mas algumas tendências estão fortes. São elas:

1) A valorização da sustentabilidade: as preocupações com o futuro do planeta estão, definitivamente, no centro da agenda e devem assumir papel ainda mais relevante no novo modelo;

2) Um modelo de desenvolvimento mais humano: a exclusão de regiões, países e povos é inssutentável no século XXI, pois contradiz a racionalidade humana;

3) A importância do conhecimento: como meio de superação dos desafios, através da incorporação de métodos, ferramentas e tecnologias aplicados à saúde, educação, meio ambiente, governo, infra-estrutura.

E aí, você está preparado para esse novo tempo?

Vamos trabalhar para isso?

PS: Uma leitura muito útil nesse momento e que pode trazer alguma luz ao debate é “Presença: propósito humano e o campo do futuro”, escrito pelas “feras” Peter Senge, Otto Scharmer, Joseph Jaworski e Betty Sue Flowers. Trata sobre a Teoria U e os principais limites do modelo atual. 

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: