Por falar em crise…

Leia o artigo do reitor Naomar de Almeida Filho, publicado pelo jornal Folha de São Paulo, em 05 de julho de 2009:

 

Cinco teses sobre a crise…

NAOMAR DE ALMEIDA FILHO


A missão da universidade no século 21 será provocar crises de transformação e renovação, que proponho chamar de crises miltonianas

… NA UNIVERSIDADE é o que proponho neste breve comentário.
Pierre Bourdieu, cientista social recentemente falecido, avançou uma crítica à escola em geral e à universidade em particular como dispositivos do Estado para a reprodução social.
Eis a base da primeira tese: a universidade, em toda sua história, tem sido fundamental na reprodução da estrutura de classes da sociedade; elitista e alienada, confirma seu mandato de guardiã da cultura (dominante), de formadora de quadros (dirigentes), de produtora de conhecimento e tecnologia (economicamente relevantes) e de capital simbólico (politicamente apropriado).
Nessa perspectiva, a universidade gera e gerencia capital científico e cultural essenciais para o modo de produção capitalista, além de atuar como formadora de quadros orgânicos das classes dominantes. Sua ação é social e politicamente relevante não só para a reprodução da instituição mas também para a reprodução ampliada da estrutura de classes.
Simpatizo mais com a tese dois, formulada há mais de 40 anos por Anísio Teixeira, notável educador baiano, como argumento central de sua visão política da educação. Anísio defendia que a revolução democrática, pacífica e sustentável será viabilizada pela universalização da educação nos níveis iniciais -como condição de emancipação política e de equidade social- e por ampla oportunidade de acesso à formação universitária -determinante do desenvolvimento econômico e humano das nações.
A educação, no sentido de formação de cidadãos cultos, críticos e livres, é sem dúvida uma das maneiras eficientes de superar não só crises mas também estruturas e conjunturas. E o que fazer quando é a própria universidade que se supõe em crise?
Isso nos leva à tese três, formulada por Boaventura Santos, sociólogo e pensador lusitano, reconhecido por suas análises da crise de identidade da universidade velha. A universidade, em sua nova história, será necessária, quiçá imprescindível, à superação da sociedade de classes. Comprometida com a transformação social, confirmará sua missão de promotora da etnodiversidade, fomentadora da epistemodiversidade e formadora de cidadãos críticos e engajados.
A etnodiversidade corresponde ao interculturalismo que enriquece (e conflita) o mundo globalizado, e o que chamo de epistemodiversidade tem o nome de ecologia dos saberes na obra de Boaventura.
A quarta tese foi proposta em 1978 por Milton Santos, geógrafo e pensador baiano, num livro chamado “Por uma Geografia Nova”. Essa tese valoriza o novo, “o ainda não feito ou não codificado (…), o desconhecido [que] só pode ser conceitualizado com imaginação, e não com certezas”.
Mais que nunca, é preciso ser criativo para imaginar, experimentar e realizar algo que ainda não havia sido tentado. A tese Milton Santos é uma proposta metodológica desafiadora e ousada que, de certo modo, indica um caminho, um como fazer.
Bourdieu faz um diagnóstico preciso, mas pessimista, sem apontar saídas. Anísio, otimista quase utópico, descortina o horizonte, largo, da educação como libertação. Boaventura apresenta um projeto, digamos, realista de superação das crises políticas resultantes do afastamento da universidade das formações sociais que a aninham. E Milton nos incita a usar a imaginação para criar crises de transformação.
No ano passado, Boaventura fez uma conferência em nossa instituição. Concluiu dizendo que a missão da universidade no século 21 será formar “rebeldes competentes”, e não, eu acrescentaria, tolerar pessoas confusas e incultas, tão cheias de certezas. Nesse espírito, gostaria de concluir com uma tese-síntese.
Rejeito o pessimismo de Bourdieu e antevejo a revolução pacífica pela educação do Anísio visionário. Para enfrentar as sucessivas crises de identidade, realização e legitimidade social da universidade contemporânea, penso que já não basta recuperar tradições vazias e celebrar pactos micropolíticos. A missão da universidade no século 21 será provocar crises de transformação e renovação, que proponho chamar de crises miltonianas.
A força criativa da instituição universitária, recuperada pela experimentação de formas novas de arquitetura curricular, organização institucional e prática pedagógica, pode e deve fomentar um tipo diferente de crise, crises de renovação.
Tais crises configuram transgressões produtivas, de que a universidade brasileira tanto precisa para resgatar o atraso de sua história.


NAOMAR DE ALMEIDA FILHO , 57, doutor em epidemiologia, pesquisador 1-A do CNPq, é reitor da UFBA (Universidade Federal da Bahia) e autor, com Boaventura de Sousa Santos, de “A Universidade do Século XXI: Para uma Universidade Nova” (Almedina, 2009).

Os artigos publicados com assinatura não traduzem a opinião do jornal. Sua publicação obedece ao propósito de estimular o debate dos problemas brasileiros e mundiais e de refletir as diversas tendências do pensamento contemporâneo. debates@uol.com.br

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: